Após serem demitidos na pandemia, vendedores abrem cafeteria

Após serem demitidos na pandemia, vendedores abrem cafeteria

Eles foram atrás de seus sonhos, investiram em franquia e mudaram de vida faturando R$26 mil líquidos, já no primeiro mês de operação

O ex-vendedores Cristiano Coutinho e Ramon Ribeiro trabalhavam há mais de 10 anos em uma loja de magazine no Rio de Janeiro (RJ), mas com a crise da pandemia, foram demitidos. Porém, esse foi o gatilho inicial para irem atrás de seus sonhos.

Ambos já conversavam sobre o assunto, mas nunca conseguiram se desvincular da empresa, principalmente por saberem que tinham uma renda estável. “Eu fui demitido primeiro, em agosto. Foi um acordo, pois já havia comentado com meus superiores que estava pensando em sair, assim como Cristiano. Então comecei a procurar negócios onde eu pudesse investir, em seguida, ele saiu também. Logo, juntamos nossas economias para iniciar nosso sonho”, explica Ramon.

O modelo de franquia sempre foi o que mais chamou a atenção dos amigos, por fornecer o suporte necessário, já que eles nunca haviam feito nada nesse segmento. “A insegurança foi grande, mas sempre mantivemos o lema de que enquanto seu medo for maior que a sua necessidade, você nunca irá mudar. E foi esse pensamento que nos manteve forte”, comenta Cristiano.

Ainda quando trabalhavam como consultores de treinamento, Ramon e Cristiano conheceram a Cheirin Bão, franquia de cafeteria. Por ter uma loja próximo ao local de trabalho, sempre que podiam iam tomar um café e comer algo no estabelecimento, fazendo com que eles se apaixonassem pela rede ainda como consumidores.

“Entramos em contato e vimos que a Cheirin Bão oferecia um ótimo negócio para quem estava iniciando no ramo, principalmente, porque além de consumo local, oferece produtos para serem vendidos e levados para casa. Além disso, o valor se encaixava com o que tínhamos. Após muitas negociações, fechamos o contrato e no dia 23 de novembro inauguramos nossa loja no calçadão de Itaguaí (RJ)”, conta Coutinho.

No entanto, o que mais chamou a atenção dos fundadores da Cheirin Bão, foi o crescimento rápido da nova unidade. Com apenas um mês de operação, os sócios alcançaram um faturamento de R$26 mil líquidos, em meio a pandemia, ou seja, em 33 dias, venderam cerca de R$76 mil. Inclusive, em dezembro, foi a loja que mais vendeu waffles. “Essa moda pegou quando fizemos o waffle com uma cliente e ela gravou, postando em suas redes sociais, marcando a nossa loja. Desde então, muitas pessoas nos procuram para fazer o mesmo”, explica Ribeiro.

Para os empreendedores, esse não foi o único motivo do crescimento. Antes mesmo da inauguração, os sócios investiram na divulgação do Instagram, mostrando que ofereciam lago que a região não oferecia.

A escolha do ponto também foi essencial, já que está localizado em um lugar bem movimentado de Itaguaí (RS). Além disso, a procura por pessoas do próprio município para trabalhar, mesmo que sem experiência, mostrou a preocupação dos empreendedores com a localidade.

Marmita Fit menor

Em relação ao futuro, Cristiano conta que para 2021 pretende alcançar R$65 mil por mês e com a expectativa em abrir mais unidades da franquia, junto com o seu sócio, mais para frente. “Apesar das dificuldades financeiras, tudo saiu conforme o planejado. Sentimos a sensação de sonho realizado em cada centavo investido. Além disso, o apoio da nossa família e a confiança da equipe da Cheirin Bão foi diferencial para o nosso sucesso neste início”, finalizam os sócios.

Fonte: assessoria de imprensa

Por Rafael Gmeiner
Editor do site Mundo das Franquias


Agência VitalCom

Rafael Gmeiner

Jornalista, especialista em Produção de Conteúdo e Assessoria de Imprensa. Atualmente é CEO da Agência VitalCom e do site Mundo das Franquias. Há 20 atuando com Jornalismo e Comunicação, conta sua experiência com passagens por jornais impressos, televisão, rádio e sites, e acumula sete anos no segmento de Franquias