8 dicas para gerar novos negócios na crise

8 dicas para gerar novos negócios na crise

Especialistas em negócios, de empresa que conecta e gera conexão das marcas e que fechou dez contratos em quatro meses durante a pandemia, indicam o caminho  

Poderia parecer loucura começar uma empresa dedicada a gerar negócios em plena pandemia, mas foi uma das decisões mais acertadas da recém-lançada B.done. “Diferentemente do que muitos acreditavam, negócios em marketing não estavam cancelados, pelo contrário, as marcas precisaram e precisam se comunicar de forma direta e efetiva com seus públicos-alvo. Agora mais do que nunca é hora de investir numa comunicação verdadeira com o mercado”, diz a fundadora da empresa, Carine Morandi. 

Para impactar esse mercado, o que toda agência deve saber é que não basta criar estratégias incríveis para os clientes, é preciso aplicar boas estratégias ao próprio negócio, estruturar a área comercial e profissionalizar o time de vendas. “É possível atingir resultados efetivos em branding, performance e autoridade digital, neste momento, só é preciso estar atento aos movimentos do mercado para gerar mais oportunidades de negócio”, conta a sócia, Débora Brauhardt.

Por isso, elas compartilham um pouco deste período de sucesso, com dez novos contratos fechados em apenas quatro meses.

Conteúdo

Pesquisas mostram que 75% das pessoas usam redes sociais como parte do processo de compra e que 89% dos novos clientes iniciam um processo de compra fazendo buscas na internet. “É impensável pensar em crescer no mercado hoje sem o suporte da presença na internet”, diz Débora.

Ou seja, a produção de conteúdo de forma consistente, frequente precisa ser iniciada, se ainda não existir. É também necessário definir quais os canais de distribuição, inclusive, aqueles que valem um impulso com mídia paga, no caso de um retorno a curto-prazo.

Outbound

Esta é a estratégia que ajuda a empresa a mirar num universo onde está o seu perfil ideal de cliente e prospectá-los ativamente. “A prospecção é um método conhecido, mas segue sendo efetivo, uma vez que já são oportunidades pré-qualificadas”, orienta a sócia.

 Programa de indicação

“A fonte de aquisição de novos clientes mais utilizada, em geral, é a indicação”, diz Juliana Verna. Esta é a razão da B.Done indicar como um tiro certo um programa de incentivos para gerar o entusiasmo necessário para uma indicação que seja simples e atraente e ajude a construir mais resultados para o negócio.

Base de clientes

Basicamente é a ideia de vender outros serviços para os clientes “da casa”, que já confiam nos serviços oferecidos. “É um público que já conhece seu serviço e sua entrega, e pode estar precisando de um upsell (técnica de vendas na qual são oferecidos ao consumidor produtos melhores e normalmente mais caros). Todos os clientes já compram todos os serviços disponíveis? Todos os clientes que fazem redes sociais também compram serviços de mídia? E aqueles que só trabalham com CRM já produzem conteúdo para o blog?”, questiona Débora.

Oportunidades perdidas

E, porque não retomar a negociação com aquela oportunidade que, por algum motivo, não fechou no passado? “Sabemos que muitas coisas acontecem em uma empresa no decorrer dos tempos: a gestão e as prioridades mudam e o motivo pelo qual a negociação foi dada como perdida há um tempo pode não ser mais válida atualmente”, comenta Carine.

Social selling

Na prática, o social selling é uma estratégia de vendas direcionada à prospecção por meio das redes sociais. Ou seja, é uma forma de se apresentar ao mercado, se não por uma venda imediata, pelo menos, compartilhando os valores da empresa e desenvolvendo o relacionamento com o mercado.

Cases

“Talvez a melhor maneira de se comunicar com os prospects ainda seja mostrar os cases. Compartilhar os resultados entregues ao longo da história pode ser muito promissor”, afirma Brauhardt.

Programas de parceria

Por fim, mas não menos importante, o networking com outras agências também é uma boa forma de alavancar negócios a partir de uma parceria ganha-ganha. “Se for uma agência grande, converse com as pequenas para elas enviarem clientes que estão se tornando grande demais para elas. Se for de uma agência pequena, converse com uma agência maior para ela indicar oportunidades que ela não tem interesse de absorver”, conclui Débora.

Fonte: assessoria de imprensa

Por Rafael Gmeiner
Editor do site Mundo das Franquias


Rafael Gmeiner

Jornalista, especialista em Produção de Conteúdo e Assessoria de Imprensa. Atualmente é CEO da Agência VitalCom e do site Mundo das Franquias. Há 20 atuando com Jornalismo e Comunicação, conta sua experiência com passagens por jornais impressos, televisão, rádio e sites, e acumula sete anos no segmento de Franquias